PROFESSOR

PAULO CESAR

PORTAL DE ESTUDOS EM QUÍMICA
 

DICAS PARA O SUCESSO NO VESTIBULAR: AULA ASSISTIDA É AULA ESTUDADA - MANTER O EQUILÍBRIO EMOCIONAL E O CONDICIONAMENTO FÍSICO - FIXAR O APRENDIZADO TEÓRICO ATRAVÉS DA RESOLUÇÃO DE EXERCÍCIOS.

Home
Contaminação_nitrito
Tório
Acidente Nuclear no Japão
Biologia Química
Correção da tabela periódica
Sonho dos Alquimistas
Bisfenol
Morte por CO
Contaminação por Polônio
Bóson de Higgs
Novo Tratamento da Malária
Novo Tratamento para o Mal de Parkinson
Descoberta Antimatéria
Fitoplancton
Elemento 112
Nescafé
Nova Tabela Periódica
Elemento 117

 

Fonte de oxigênio, população de fitoplânctons cai 40% por conta do aquecimento

Fitoplâncton. Foto: Divulgação/Nature

LONDRES - As plantas microscópicas que alimentam toda a vida marinha estão morrendo em ritmo drástico, segundo um estudo inédito conduzido pela Universidade de Dalhousie, no Canadá, e publicado esta semana na revista "Nature". A população oceânica de fitoplânctons, como estes seres são conhecidos, caiu cerca de 40% durante o século passado. Para os pesquisadores, a mudança está relacionada com o aquecimento global e as crescentes temperaturas da superfície do mar.

" Os fitoplânctons, base da vida nos oceanos, são essenciais na manutenção da saúde do mar "

horizontal rule

Os fitoplânctons são organismos marinhos microscópicos capazes de realizar fotossíntese, assim como as plantas terrestres. Encontrados nas camadas superiores dos oceanos, eles produzem uma quantidade significativa do oxigênio que respiramos.

Um declínio de 40% da população destes seres representaria uma mudança maciça na biosfera global. Se este índice for confirmado por outros estudos, poderá representar, de acordo com cientistas, um impacto maior do que a destruição de florestas tropicais e recifes de coral.

Impacto biológico sem precedentes

De acordo com o biólogo marinho Boris Worm, que participou do levantamento, as baixas populacionais foram constatadas principalmente na segunda metade do século XX.

- Se o ritmo de decréscimo permanecer o mesmo, algo realmente sério está acontecendo há décadas - alertou. - Tentei pensar em uma mudança biológica maior do que esta, mas nada me ocorreu. A confirmação de nosso estudo significaria que o ecossistema marinho de hoje está muito diferente daquele de poucos anos atrás, e boa parte dessa mudança está acontecendo no oceano, onde não podemos vê-la.

A equipe da universidade canadense estudou os registros populacionais de fitoplânctons realizados desde 1899, quando a clorofila do fitoplâncton (pigmentos verdes) passou a ser monitorada regularmente. Cerca de meio milhão de medições, promovidas durante todo o século XX, foram analisadas.

As contagens aconteceram em dez regiões do mundo. Em oito, a população de fitoplânctons declinou em taxas preocupantes, em uma média global de 1% ao ano.

O declínio é correlacionado ao aumento da temperatura na superfície do mar - embora os cientistas não consigam provar que os oceanos mais quentes tenham sido a causa da morte dos fitoplânctons.

De acordo com os pesquisadores, o estudo optou pela análise de um período tão longo para eliminar as conhecidas flutuações naturais de fitoplânctons que ocorrem de uma década para outra. Estas mudanças são normalmente atribuídas a oscilações na temperatura do oceano.

- Os fitoplânctons são um importante ator no suporte da vida no planeta - ressaltou Worm. - Eles produzem metade do oxigênio que respiramos, retiram CO2 da superfície e ainda servem de alimento para todos os peixes.

Líder da equipe de pesquisa, que demorou três anos para concluir o estudo, Daniel Boyce também sublinhou a importância dos fitoplânctons e o impacto de sua população para o homem.

- Os fitoplânctons, base da vida nos oceanos, são essenciais na manutenção da saúde do mar - ponderou. - Eles representam um combustível, e seu declínio afeta toda a cadeia alimentar, incluindo os seres humanos. Precisamos, por isso, nos preocupar com o seu declínio. Fizemos uma descoberta muito robusta e temos confiança em nossas conclusões.

Os fitoplânctons são afetados pela quantidade de nutrientes que vêm do fundo dos oceanos. No Atlântico Norte, eles "florescem" naturalmente na primavera e no outono, quando as tempestades levam estes alimentos para a superfície.

Um efeito das temperaturas crescentes foi deixar a coluna de água de algumas regiões equatoriais mais estratificadas, com água mais aquecida sobre camadas mais frias, dificultando a chegada de nutrientes para os fitoplânctons na superfície do mar.

Mares mais quentes nas regiões tropicais também são conhecidos por ter um efeito direto em limitar o crescimento de fitoplânctons

Home | Contaminação_nitrito | Tório | Acidente Nuclear no Japão | Biologia Química | Correção da tabela periódica | Sonho dos Alquimistas | Bisfenol | Morte por CO | Contaminação por Polônio | Bóson de Higgs | Novo Tratamento da Malária | Novo Tratamento para o Mal de Parkinson | Descoberta Antimatéria | Fitoplancton | Elemento 112 | Nescafé | Nova Tabela Periódica | Elemento 117

Este site foi atualizado em 29/07/10