PROFESSOR

PAULO CESAR

PORTAL DE ESTUDOS EM QUÍMICA
 

DICAS PARA O SUCESSO NO VESTIBULAR: AULA ASSISTIDA É AULA ESTUDADA - MANTER O EQUILÍBRIO EMOCIONAL E O CONDICIONAMENTO FÍSICO - FIXAR O APRENDIZADO TEÓRICO ATRAVÉS DA RESOLUÇÃO DE EXERCÍCIOS.

Home
Grafeno
Crise Financeira
Hidratos de Carbono
LHC
Bactéria GFAJ
Sperbactérias KCP
Como as cinzas prejudicam os aviões
Ônibus a Hidrogênio
Superátomos
O que os Faraós Bebiam
Metal Orgânico
Microondas no Laboratório de Química
Pré-Sal
Elementos Pseudo-metálicos
Crise Nuclear na Coreia
Crédito de Carbono
Reforma Ortográfica
Novo ENEM
Gripe Suína
Água Seca
Balança mais sensível do mundo
Chuva Seca
Adoçantes Artificiais
Estato Gasoso
Por que a água sanitária desinfeta
Adrenalina
Água
Antibióticos
Ácido Desoxirribonucleico
Armas Químicas
Armas Biológicas
Armas Nucleares
Bafômetro
Bicabonato de Sódio
Biodiesel
Bronzeamento Artificial
Bioquímica das Células
Botulismo
Cálculos em Química por Análise Dimensional
Células Tronco
Clonagem
Colesterol
Combustíveis
Ciclos Biogeoquímicos
Cristais Líquidos
Curiosidades_químicas.htm
Desodorantes
Etanol
Fenilcetonúria
Química do Vagalume
Neuroquímica
Vida
Ecstasy
Moléculas que matam
Coca Cola Diet x Bala Mentos
Química do Beijo
Novo Tipo Ligação Química
Datação do C 14
Bioquímica da Arteriosclerose
Equilíbrio Ácido Base no Sangue
Sabão Molécula Intrigante
Cafeína
Vírus
Feromônios
Benzeno
Corantes
Nicotina
Polônio
Leptina
Raio X
Polímeros: A era dos plásticos
Vacinas Comestíveis
Química Combinatória
Gás Hélio
Sangue Artificial
Surfactantes e Micelas
Química do Cabelo
Elementos Químicos
Química Medicinal
Explosivo C4
THC
Notícias Quânticas
Forças Intemoleculares
Gás Carbônico
Biotecnologia
Química das Aranhas
Vitaminas
Moléculas Quirais
Carboidratos
Colesterol II
Lipídios
Proteínas
Química do Sorvete
Química do Vinho
Química na Cozinha
Quimioterapia
Dicionário de Química
Diet ou Light?
Fique Por Dentro
Química das Aranhas
Gráficos
Grandes Nomes da Ciência
Histórico da Química
Lâmpadas Fluorescentes
Meio Ambiente
Mol
Os Segredos da Mumificação
Perguntas Superinteressantes
Química do Cigarro
Química do Cotidiano
Tratamento da Água
Salmonella
Pilhas e Baterias
Polímeros Condutores de Eletricidade
Umidade Relativa do Ar
Viagra
Vitaminas e Minerais

 

Estão bontando vacinas no seu alimento!
Já comeu sua vacina hoje?
O Portal de Estudos em Química mostra que esta questão será comum num futuro muito próximo.
Alimentos geneticamente modificados irão dar conta da vacinação que, hoje, ainda é dolorida.



O Portal de Estudos em Química (PEQ) apresenta as Vacinas Comestíveis!

 

Leia também!
:::Artigos relacionados no PEQ:
> Vírus
> Proteínas
 

Um dos principais avanços da medicina no último século foi a introdução das vacinas, que fizeram milagres reais contra as doenças infecciosas. Mortes por sarampo, poliomelite ou tétano passaram a ser objeto de estudo de historiadores. Entretanto, mesmo após décadas e milhares de campanhas de vacinação, mais de 30% das crianças de todo o mundo não têm acesso às vacinas mais importantes: contra difteria, tuberculose, tétano e polio. Desta forma, mais de 4 milhões de mortes por estas infecções ocorrem, desnecessariamente, a cada ano. Mesmo no Brasil a vacinação não atinge todos os cantos: milhares de crianças passam à margem do serviço de saúde pública. A situação é ainda mais crítica em países pobres ou em conflitos sociais, onde o serviço público sequer existe. Brigadas internacionais, como a Red Cross ou o Salvation Army, tentam desesperadamente auxiliar estes seres humanos, mas o seu progresso é mais lento do que a foice da morte. O inventor da vacina comestível

No início da década de 1990, Charles Arntzen, do Texas A&M University, imaginou uma forma de resolver estes problemas de uma maneira muito barata e eficaz: ele viu, durante uma visita a Bangkok, uma mãe tentando introduzir um pedaço de banana em seu filho já falecido.
Tarde demais, mas somente para aquela criança, pensou ele: a solução, talvez, fosse a de preparar alimentos geneticamente modificados, capazes de produzir vacinas. Bananas, batatas ou tomates que, ao serem consumidos, estariam provindo o organismo com as inoculações necessárias.


cientistas já fazem plantas com vacinas

As vantagens seriam enormes: as plantas poderiam crescer no local onde fossem necessárias, sem muitos custos. Os problemas logísticos, econômicos e políticos, comumente relacionados à distribuição normal de vacinas, também seriam minimizados. E, ainda, estas vacinas não requeririam seringas que, além de serem caras e causarem medo, podem ser contaminadas.

é pra comer tudinho!
amostras foram testadas em ratos

Após 10 anos de estudos e testes (inclusive em humanos), os resultados são promissores: as vacinas comestíveis podem funcionar. Entretanto, há ainda um pouco de receio dentre a comunidade científica: existe a especulação de que estas vacinas poderiam suprimir a autoimunidade - fazendo com que as defesas do corpo ataquem, por engano, células sadias. Doenças como a diabetes tipo I e outras são associadas com disordens na autoimunidade.

Independentemente da forma como as vacinas são aplicadas, todas têm o mesmo objetivo: ensinar o sistema imunológico a destruir certos agentes causadores de doenças antes que estes agentes possam se multiplicar o suficiente para causar sintomas. De uma maneira geral, as vacinas contém vírus ou bactérias que foram desativados ou, ainda, mortos.
Ao detectar a presença de um organismo extrangeiro em uma vacina, o sistema imunológico se comporta como se o organismo estivesse sob ataque de um potente antagonista. Várias forças são mobilizadas para encontrar e destruir o invasor. Na primeira fase, é necessário se descobrir como o agente patógeno pode ser aniquilado. Novas proteínas são codificadas - os antígenos - em função do tipo do invasor. Mesmo após finda a "batalha", certas células de "memória" permanecem na corrente sanguínea, alertas, capazes de identificar novamente este invasor e codificar o antígeno correto. Em alguns casos, esta memória é permanente; noutros, como no caso da cólera ou tétano, a vacina precisa ser readministrada periodicamente.


estas mudas de banana já contém vacinas

Mais recentemente, uma inovação ocorreu no mundo das vacinas. A sociedade e boa parte da comunidade científica temia que, no caso das vacinas clássicas, os microorganismos desativados, de alguma forma, ressucitassem e provocassem as doenças que deveriam evitar. Por isso, os fabricantes passaram a produzir as chamadas "sub-unidades", que são apenas as proteínas antígenas, divorciadas dos genes patológicos. Entretanto, estas novas vacinas são bastante caras, pois sua produção é bastante requintada: envolve a cultura de bactérias ou células animais, devem ser purificadas e sempre necessitam de ser refrigeradas. Estas vacinas devem sempre ser injetadas na corrente sanguínea, pois são denaturadas pelo suco gástrico.

Vacinas a preço de banana
vacina contra diarréia

Esta mesma técnica está sendo aplicada nas vacinas comestíveis, que também contém sub-unidades. A grande vantagem é que não necessitam ser refrigeradas, pois o alimento rotege as proteínas da degradação. E, dentro das células vegetais, as vacinas encontram-se protegidas do suco gástrico, sendo liberadas gradativamente já no intestino delgado.

Desde o início das pesquisas com vacinas em alimentos, os pesquisadores desconfiavam que estas vacinas também teriam ação sobre a imunidade mucosal. Muitos agentes patológicos entram no corpo via nariz, boca ou órgãos genitais; a primeira defesa do organismo é uma série de membranas mucosas, localizadas nestas regiões. As vacinas injetáveis, em geral, não estimulam a defesa mucosal; as vacinas comestíveis, teoricamente, deveriam ser mais ativas nesta imunidade, pois entra em contato íntimo com a mucosa do intestino. Deveriam, portanto, serem capazes de ativar a imunidade mucosal e sistêmica. Este efeito seria ótimo contra doenças como a diarréia, por exemplo.

causa diarréia
Escherichia coli

A maior parte dos cientistas envolvidos com vacinas comestíveis está pesquisando formas de combater a diarréia, que é provocada por vários agentes, como o Norwalk virus, o Vibrio cholerae e Escherichia coli. Cerca de 3 milhões de crianças morrem anualmente por causa destes agentes, que são capazes de perturbar as células do intestino delgado, provocando a liberação excessiva de água dos tecidos. A única terapia disponível é a re-hidratação, mas algu;as vezes não é suficiente. Não existe vacina, ainda, de alcance mundial para a moléstia.
No Brasil, a morte por diarréia é, infelizmente, muito comum em várias regiões.

mais que uma simples salada

Em 1995, Arntzen conseguiu obter plantas de tabaco que produziam uma proteína antígena para o vírus da hepatitis B; testou em ratos e estes se tornaram imune à doença. Também neste ano, William H. R. Langridge da Loma Linda University obteve tomates e batatas com vacinas para as três principais causas da diarréia. Alimentando animais (ratos, coelhos e macacos) com estas frutas ou tubérculos, conseguiram resultados excelentes: as cobaias tiveram respostas positivas de imunidade mucosal e sistêmica, e não contrairam a doença quando expostas aos agentes patológicos reais.
 

Teste com humanos
humanos já testaram as vacinas comestíveis

Estes e outros testes preliminares, em animais, serviram para indicar que os humanos também deveriam ser testados. Arntzen foi o primeiro cientista a testar vacinas comestíveis em pessoas. Em 1997, vinte voluntários comeram batatas não cozidas, contendo a sub-unidade B da toxina da E. coli. Todos apresentaram estímulos das imunidades sistêmica e mucosal. O mesmo grupo comeu outras batatas, contendo vacina contra o Norwalk virus; 19 dos vinte tiveram esultados positivos. No ano seguinte, Hilary Koprowski do Thomas Jefferson University deu alface geneticamente modificada para conter um antígeno da hepatitis B para três voluntários; dois ficaram imunes a doença.

 

Estes resultados parecem deixar claro que as vacinas comestíveis são, de fato, eficazes. A comunidade científica vê com bons olhos e vários órgãos de saúde pública, como a NIH e a Unicef, já investem bastante dinheiro nesta área. Entretanto, várias questões ainda devem ser respondidas, e vários problemas precisam ser resolvidos, antes da liberação em massa destas vacinas.


cientistas testam bananas

Dentre os obstáculos, está a escolha das plantas corretas - e cada planta apresenta seu próprio desafio. As batatas são ideias: se propagam rapidamente e podem ser estocadas por longos períodos. A desvantagem é que devem ser ingeridas sem cozimento, o que não é uma prática comum. As folhas de tabaco, extensivamente estudadas, não fazem parte da dieta de nenhuma população. As bananas não precisam ser cozidas, mas suas árvores levam anos para dar frutos, e estes são sazonais. Além disso, após colhidas as bananas apodrecem rapidamente. Por isso, mais plantas tem sido testadas, como alface, cenouras, amendoins, trigo, milho arroz e soja.

Como fazer uma vacina comestível?
O preparo de uma planta-vacina segue alguns passos comuns. O primeiro deles, consite na exposição das células da planta às bactéricas causadoras da doença. Esta bactéria contém um gene que a torna imune a ação do antibiótico.


Após um certo tempo de cultura, um forte antibiótico é adicionado ao meio - todas as células da planta que não tiverem sofrido transferência genética irão morrer. É uma forma de separar o "joio do trigo".


A próxima etapa consiste na brotação e enraizamento do callus. Depois, é só plantar e gerar uma muda.

Pronto: a vacina está na horta!

Outra questão: o consumo cotidiano de vacinas poderia causar um fenômeno conhecido como tolerância oral - o organismo pode simplesmente passar a desligar suas defesas contra estas proteínas, se tornando suceptível ao ataque do agente patológico real. Além disso, alguns cientistas advertem para o fato de que a mãe que come o alimento com vacina estaria indiretamente vacinando o seu filho, quer seja o feto, através da placenta, ou o bebê, pela amamentação.

Existem ainda problemas não científicos: várias empresas farmacêuticas estão tentando por descrédito na estratégia das vacinas comestíveis, por razões óbvias: o mercado das vacinas injetaveis representa bilhões de dólares. Além de não patrocinar pesquisas nestas áreas, muitas empresas passaram a denegrir os resultados até então obtidos. Outro desafio não científico é que estas vacinas caem no jargão popular de "alimentos geneticamente modificados": a mídia tem feito campanha ostensiva, infudada e inadvertidamente, contra estes alimentos. A população amedrontada pode não aderir a esta nova forma de vacinação.

Na bunda dói!
Breve, isto será coisa do passado

No Brasil, ainda há outro problema: parece um absurdo dizer que teremos como solução vacinas comestíveis, se em várias áreas de nosso país crianças ainda morrem de fome. Se não chegam alimentos, muito menos vacinas comestíveis. A vacinação é uma etapa posterior a do fim da fome. Os programas sociais do governo na área da saúde têm se mostrado ineficazes: milhares de crianças morrem anualmente de desnutrição.

Todavia, a pesquisa continua. Mais testes precisam ser feitos, problemas devem ser solucionados e a população deve ser convencida. Entretanto, é inevitável: brevemente teremos, na mesa, nossas vacinas.

 

Saiba mais:
>Projeto da Biotech
>Alimentos transgênicos trazem vacinas
>Vacinas comestíveis dão imunidade mucosal
>Porque precisamos de vacinas
 

 

 

 

Home | Grafeno | Crise Financeira | Hidratos de Carbono | LHC | Bactéria GFAJ | Sperbactérias KCP | Como as cinzas prejudicam os aviões | Ônibus a Hidrogênio | Superátomos | O que os Faraós Bebiam | Metal Orgânico | Microondas no Laboratório de Química | Pré-Sal | Elementos Pseudo-metálicos | Crise Nuclear na Coreia | Crédito de Carbono | Reforma Ortográfica | Novo ENEM | Gripe Suína | Água Seca | Balança mais sensível do mundo | Chuva Seca | Adoçantes Artificiais | Estato Gasoso | Por que a água sanitária desinfeta | Adrenalina | Água | Antibióticos | Ácido Desoxirribonucleico | Armas Químicas | Armas Biológicas | Armas Nucleares | Bafômetro | Bicabonato de Sódio | Biodiesel | Bronzeamento Artificial | Bioquímica das Células | Botulismo | Cálculos em Química por Análise Dimensional | Células Tronco | Clonagem | Colesterol | Combustíveis | Ciclos Biogeoquímicos | Cristais Líquidos | Curiosidades_químicas.htm | Desodorantes | Etanol | Fenilcetonúria | Química do Vagalume | Neuroquímica | Vida | Ecstasy | Moléculas que matam | Coca Cola Diet x Bala Mentos | Química do Beijo | Novo Tipo Ligação Química | Datação do C 14 | Bioquímica da Arteriosclerose | Equilíbrio Ácido Base no Sangue | Sabão Molécula Intrigante | Cafeína | Vírus | Feromônios | Benzeno | Corantes | Nicotina | Polônio | Leptina | Raio X | Polímeros: A era dos plásticos | Vacinas Comestíveis | Química Combinatória | Gás Hélio | Sangue Artificial | Surfactantes e Micelas | Química do Cabelo | Elementos Químicos | Química Medicinal | Explosivo C4 | THC | Notícias Quânticas | Forças Intemoleculares | Gás Carbônico | Biotecnologia | Química das Aranhas | Vitaminas | Moléculas Quirais | Carboidratos | Colesterol II | Lipídios | Proteínas | Química do Sorvete | Química do Vinho | Química na Cozinha | Quimioterapia | Dicionário de Química | Diet ou Light? | Fique Por Dentro | Química das Aranhas | Gráficos | Grandes Nomes da Ciência | Histórico da Química | Lâmpadas Fluorescentes | Meio Ambiente | Mol | Os Segredos da Mumificação | Perguntas Superinteressantes | Química do Cigarro | Química do Cotidiano | Tratamento da Água | Salmonella | Pilhas e Baterias | Polímeros Condutores de Eletricidade | Umidade Relativa do Ar | Viagra | Vitaminas e Minerais

Este site foi atualizado em 27/01/11