PROFESSOR

PAULO CESAR

PORTAL DE ESTUDOS EM QUÍMICA
 

DICAS PARA O SUCESSO NO VESTIBULAR: AULA ASSISTIDA É AULA ESTUDADA - MANTER O EQUILÍBRIO EMOCIONAL E O CONDICIONAMENTO FÍSICO - FIXAR O APRENDIZADO TEÓRICO ATRAVÉS DA RESOLUÇÃO DE EXERCÍCIOS.

Home
Bico de Bunsen
Teor de Álcool na Gasolina
Segurança no Laboratório
Potenciais Redox
Eletrólise
Equação de Arrhenius
Propriedades Coligativas
Titulação do Amoníaco
Reações Químicas
Titulação do vinagre
Preparo de NaOH
Cinética Química
Reatividade de Metais
Lei de Graham
Equipamentos de Laboratório
Relatório

 

DETERMINAÇÃO DO TEOR DE 
ÁLCOOL EM GASOLINA

horizontal rule

    INTRODUÇÃO
 

    A gasolina é um produto combustível derivado intermediário do petróleo, na faixa de hidrocarbonetos de 5 a 20 átomos de carbono.
    Uma das propriedades mais importantes da gasolina é a octanagem. A octanagem mede a capacidade da gasolina de resistir à detonação, ou sua capacidade de resistir ás exigências do motor sem entrar em auto-ignição antes do momento programado. A detonação (conhecida como "batida de pino") leva à perda de potência e pode causar sérios danos ao motor. Existe um índice mínimo permitido de octanagem para a gasolina comercializada no Brasil, que varia conforme seu tipo. 
    O álcool etílico, umas das substâncias adicionadas à gasolina tem vital papel na sua combustão, pois sua função é aumentar a octanagem em virtude do seu baixo poder calorífico. Além disso, o fato propicia uma redução na taxa de produção de CO. A porcentagem de álcool é regulamentada por Lei, e recentemente foi estabelecido um novo padrão que é de 18 a 24%. Se por um lado existe vantagens, existem as desvantagens também, como maior propensão à corrosão, maior regularidade nas manutenções do carro, aumento do consumo e aumento de produção de óxidos de nitrogênio.
    Disso tudo, nota-se a importância para a frota automotiva brasileira e para o meio ambiente, o rigoroso controle dessa porcentagem

 

    MATERIAL UTILIZADO
 

-    Proveta de 100 mL com tampa.
-    Amostra de Gasolina.
-    Solução saturada de NaCl.
-    Luvas e óculos de proteção.
 

    PROCEDIMENTO
 

1 -    Colocar 50 mL de gasolina comum em uma proveta de 100 mL ± 0,5 mL com tampa.

2 -    Completar  o volume até 100 mL com a solução saturada de NaCl.


FIGURA 1 - Montagem do experimento.

3 -    Fechar a proveta, misturar os líquidos invertendo-a  5 vezes. 
OBSERVAÇÃO: Segure firme para evitar vazamentos.


FIGURA 2 - Animação do experimento.

4 -    Manter em repouso até a separação das duas fases.

5 -    Ler o volume de ambas as fases.

6 -    Denominar o volume da fase aquosa de V'.

7 -    Subtrair de V', 50 mL e denominar este novo volume de V'', conforme a seguinte equação:

V'' = V' - 50 mL

V'' corresponderá  à quantidade de etanol presente em 50 mL da amostra de gasolina.
8 -    Calcular a % de álcool na gasolina, através da seguinte relação:

50 mL    —    100%
V"        —     x %

9 - Determine a massa da gasolina e expresse a % em m/m.

 

CUIDADOS IMPORTANTES

- Não acender ou ligar nenhum tipo de fonte de calor.
- Usar  óculos de proteção e luvas.
- Realizar o experimento na Capela, preferencialmente.
- Guardar a fase não aquosa em recipiente adequado que estará disponível no laboratório para que seja adequadamente tratado

 

Home | Bico de Bunsen | Teor de Álcool na Gasolina | Segurança no Laboratório | Potenciais Redox | Eletrólise | Equação de Arrhenius | Propriedades Coligativas | Titulação do Amoníaco | Reações Químicas | Titulação do vinagre | Preparo de NaOH | Cinética Química | Reatividade de Metais | Lei de Graham | Equipamentos de Laboratório | Relatório

Este site foi atualizado em 19/01/11