PROFESSOR

PAULO CESAR

PORTAL DE ESTUDOS EM QUÍMICA
 

DICAS PARA O SUCESSO NO VESTIBULAR: AULA ASSISTIDA É AULA ESTUDADA - MANTER O EQUILÍBRIO EMOCIONAL E O CONDICIONAMENTO FÍSICO - FIXAR O APRENDIZADO TEÓRICO ATRAVÉS DA RESOLUÇÃO DE EXERCÍCIOS.

Home
Química Nuclear x Física Nuclear
Ligações Químicas
Atomística
Química Geral
Química Descritiva
Físico Química
Química Orgânica
Evolução Atômica
Teoria Cinética
Cinética Química
Termodinâmica Química
Termoquímica x Termodinâmica
Entropia e Energia Livre
Equação de Nernst
Equação de Van Der Waals
Solução Tampão

 

Cinética Química  


O Portal de Estudos em Química (PEQ)  apresenta uma aula interativa de aprofundamento sobre Cinética Química, em sete passos. Conheça aqui as leis da velocidade, ordens da reação, reações reversíveis e a
mecanismos  de reação. Este trabalho foi realizado pelo acadêmico Rômulo Messias Kipper, estudante do curso de Licenciatura Plena em Química, sob a orientação da professora Tania Denise M. Salgado, do Departamento de Físico-Química da UFRGS.  

 

Para saber mais, use a barra de navegação acima.

Definição

A Cinética Química é o estudo das velocidades das reações químicas. Nela é introduzida a variável tempo nas transformações físico-químicas. Enquanto que na termodinâmica determina-se a variação das propriedades de um sistema quando este passa de um estado de equilíbrio para outro, na cinética se estabelece o tempo necessário para que a transformação ocorra.  A cinética química está baseada em processos químicos experimentais, que são modelados matematicamente por meio de equações diferenciais. O método consiste em montar a equação diferencial que retrata um determinado fenômeno e resolvê-la, obtendo-se assim a função que representa, explicitamente, a variação da concentração dos reagentes com o passar do tempo.

Um exemplo que pode ilustrar a diferença entre a abordagem termodinâmica e a cinética é a transformação do diamante em grafite nas condições ambientes. Por meio de considerações termodinâmicas conclui-se que a transformação é espontânea, visto que o carbono na forma de grafite possui, nessas condições, maior estabilidade do que na forma de diamante. Já do ponto de vista cinético, vê-se que essa transformação não ocorre em velocidade apreciável, de modo que não se pode constatar a sua ocorrência no dia a dia. Este é o motivo pelo qual não se verifica a transformação de um anel de diamante em um anel de grafite!

Descrição: http://www.iq.ufrgs.br/ead/fisicoquimica/cineticaquimica/cinetica_quimica_introducao_clip_image002.jpg
Grafite

Descrição: http://www.iq.ufrgs.br/ead/fisicoquimica/cineticaquimica/cinetica_quimica_introducao_clip_image002_0000.jpg
Diamante

O conhecimento da cinética de qualquer processo é de grande importância, devido a suas aplicações:

- na físico–química, para o estudo das ligações químicas (energia de ligação, estabilidade de compostos);

- na química orgânica, para a determinação dos mecanismos das reações;

- em engenharia química, para o desenvolvimento de teorias de combustão, explosões, transferência de massa e energia e no cálculo de reatores;

- no âmbito farmacêutico, nos estudos de estabilidade e degradação de medicamentos.

Este sítio contém um conjunto de informações e atividades que têm como objetivo buscar facilitar o estudo de cinética química para estudantes de graduação e também para alunos que fazem preparação para o vestibular do ITA (Instituto Tecnológico da Aeronáutica) e IME (Instituto Militar de Engenharia). Aconselha-se que os estudantes tenham conhecimentos prévios de Teoria Cinética dos Gases, Fenômenos de Transporte, Fenômenos de Superfície e Equações Diferenciais, para um melhor aproveitamento do material aqui disponibilizado.

O material apresentado neste sítio foi baseado nos seguintes livros: Princípios de Química: questionando a vida moderna e o meio ambiente (Atkins, 2006), Físico-Química (Atkins, 1999) e Fundamentos de físico-química: uma abordagem conceitual para as ciências farmacêuticas (Netz, 2002). Conheça nossa bibliografia completa.

 

Bibliografia

Atkis, P. & Jones, L. Princípios de química: questionando a vida moderna e o meio ambiente. Porto Alegre: Bookman, 2006.


Castellan, Gilbert W. Físico-química. Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico, 1973.


Atkins, Peter William. Físico-química. Rio de Janeiro: LTC, 1999. 3v


Netz, Paulo A. & Ortega, George G. Fundamentos de físico-química: uma abordagem conceitual para as ciências farmacêuticas. Porto Alegre: Artmed, 2002.

 

Home | Química Nuclear x Física Nuclear | Ligações Químicas | Atomística | Química Geral | Química Descritiva | Físico Química | Química Orgânica | Evolução Atômica | Teoria Cinética | Cinética Química | Termodinâmica Química | Termoquímica x Termodinâmica | Entropia e Energia Livre | Equação de Nernst | Equação de Van Der Waals | Solução Tampão

Este site foi atualizado em 12/11/11

 

 

Home | Química Nuclear x Física Nuclear | Ligações Químicas | Atomística | Química Geral | Química Descritiva | Físico Química | Química Orgânica | Evolução Atômica | Teoria Cinética | Cinética Química | Termodinâmica Química | Termoquímica x Termodinâmica | Entropia e Energia Livre | Equação de Nernst | Equação de Van Der Waals | Solução Tampão

Este site foi atualizado em 12/11/11