PROFESSOR

PAULO CESAR

PORTAL DE ESTUDOS EM QUÍMICA
 

DICAS PARA O SUCESSO NO VESTIBULAR: AULA ASSISTIDA É AULA ESTUDADA - MANTER O EQUILÍBRIO EMOCIONAL E O CONDICIONAMENTO FÍSICO - FIXAR O APRENDIZADO TEÓRICO ATRAVÉS DA RESOLUÇÃO DE EXERCÍCIOS.

Home
Grafeno
Crise Financeira
Hidratos de Carbono
LHC
Bactéria GFAJ
Sperbactérias KCP
Como as cinzas prejudicam os aviões
Ônibus a Hidrogênio
Superátomos
O que os Faraós Bebiam
Metal Orgânico
Microondas no Laboratório de Química
Pré-Sal
Elementos Pseudo-metálicos
Crise Nuclear na Coreia
Crédito de Carbono
Reforma Ortográfica
Novo ENEM
Gripe Suína
Água Seca
Balança mais sensível do mundo
Chuva Seca
Adoçantes Artificiais
Estato Gasoso
Por que a água sanitária desinfeta
Adrenalina
Água
Antibióticos
Ácido Desoxirribonucleico
Armas Químicas
Armas Biológicas
Armas Nucleares
Bafômetro
Bicabonato de Sódio
Biodiesel
Bronzeamento Artificial
Bioquímica das Células
Botulismo
Cálculos em Química por Análise Dimensional
Células Tronco
Clonagem
Colesterol
Combustíveis
Ciclos Biogeoquímicos
Cristais Líquidos
Curiosidades_químicas.htm
Desodorantes
Etanol
Fenilcetonúria
Química do Vagalume
Neuroquímica
Vida
Ecstasy
Moléculas que matam
Coca Cola Diet x Bala Mentos
Química do Beijo
Novo Tipo Ligação Química
Datação do C 14
Bioquímica da Arteriosclerose
Equilíbrio Ácido Base no Sangue
Sabão Molécula Intrigante
Cafeína
Vírus
Feromônios
Benzeno
Corantes
Nicotina
Polônio
Leptina
Raio X
Polímeros: A era dos plásticos
Vacinas Comestíveis
Química Combinatória
Gás Hélio
Sangue Artificial
Surfactantes e Micelas
Química do Cabelo
Elementos Químicos
Química Medicinal
Explosivo C4
THC
Notícias Quânticas
Forças Intemoleculares
Gás Carbônico
Biotecnologia
Química das Aranhas
Vitaminas
Moléculas Quirais
Carboidratos
Colesterol II
Lipídios
Proteínas
Química do Sorvete
Química do Vinho
Química na Cozinha
Quimioterapia
Dicionário de Química
Diet ou Light?
Fique Por Dentro
Química das Aranhas
Gráficos
Grandes Nomes da Ciência
Histórico da Química
Lâmpadas Fluorescentes
Meio Ambiente
Mol
Os Segredos da Mumificação
Perguntas Superinteressantes
Química do Cigarro
Química do Cotidiano
Tratamento da Água
Salmonella
Pilhas e Baterias
Polímeros Condutores de Eletricidade
Umidade Relativa do Ar
Viagra
Vitaminas e Minerais

 

CÁLCULOS EM QUÍMICA

O método da Análise Dimensional é um poderoso método utilizado não apenas em conversão de unidades, mas também onde há um excesso de cálculos sequenciais (como por exemplo em estequiometria e unidades de concentração das soluções). Infelizmente  é ainda muito pouco utilizado no Brasil.

Não confundir com a matéria de mesmo nome da Física!

O método exige um pouco de prática e atenção mas com o tempo se torna extremamente intuitivo.

Esta técnica da Análise Dimensional pode ser estendido ao uso de fatores unitários (ou fatores de conversão) nos quais o denominador e o denominador são equivalentes, mas com dimensões diferentes.

 

 

 

Desenvolver habilidades em cálculos químicos sem conhecer sistemas de unidades, seus múltiplos e submúltiplos é algo impossível. Para colaborar com isto, aí es duas tabelas que usaremos muitas vezes. Em destaque a unidade mais importante na área do conhecimento químico: MOL.

Þ3 A conversão entre as unidades

Esta é uma operação necessária sempre que precisamos converter uma unidade em outra. Esta conversão não deve ficar subentendida, por isto ao converter uma unidade usamos o respectivo valor do fator de conversão o qual vai fazer uso dos prefixos mostrados na tabela 2. Veja os exemplos usando a análise dimensional.

 

 

Análise Dimensional em Estequiometria

 

 

Reações químicas- Modelos e Acerto de coeficientes .

 

Muito  da  ciência  química  tem por objetivo  principal  entender  as  reações que produzem ou consomem subsncias químicas.

 

Mesmo que você ache que elas sejam perfeitamente  dispensável  as  reações químicasão  centrais  para  muitas  das tecnologias que utilizamos em nosso dias, tanto para conforto como para lazer.

 

As reações  químicas  em  baterias  produzem eletricidadpara  o  seu  iPod,  telefone, notebook e... .

 

A energia gerada pela queima de hidrocarbonetos movimenta o nosso carro, permite que possamos correr o mundo num tempo menor, pelo uso de aviões. Os  monitores  de LCD  de computadores  funcionam  por  que  reações  químicas que produzem compostos filtradores de luz. Engenheiros só conseguem projetar uma implosão, operar uma mina, por que existe o  explosivo. Este é um composto que quando entra em reação gera uma quantidade de energia num espaço de tempo muito curto.

 

Todos estes eventos citados são vistos a olho nu, mas a nível microscópicos precisam ser conhecidos para que possam ser estudos e consequentemente controlados e aplicados corretamente.

 

O  evento  microscópico  é  representado  por meio de modelos físicos ou por equações de reações. Ambos devem refletir a intimidade do processo que se desenvolve. Um pedreiro que produz a argamassa, para a construção civil, faz a mistura de modo mecânico; o engenheiro sabe como e porque a mistura tem o comportamento esperado. O engenheiro trabalha a nível microscópico e o pedreiro a nível macroscópico. Este último não precisa saber que existe algo que

chamamos de reação química e muito menos o seu significado.

 

 

Uma reação química é um modelo macroscópico de um evento microscópico.

 

 

O evento da formação da argamassa pode ser discutido assim: a argamassa é uma mistura que contém hidróxido de cálcio- Ca(OH)2- comercialmente conhecida como cal extinta, dissolvido em água e misturado com areia para produzir volume.

 

 

O pedreiro vai lhe dar varias justificativas por que uma obra precisa esperar a a argamassa secar, mas nenhuma delas conterá a  verdade verdadeira. O engenheiro sabe que a água evapora da mistura e endurece à medida que reage com dxido de carbono, do ar, para formar um carbonato muito rígido. Para ter este conhecimento certamente que ele aplica conhecimentos de química e de suas reações.

 

O modelo físico mostra alguns detalhes, como ângulos de ligações, assim como a natureza da ligação,   a geometria molecular e a estequiometria entre os diferentes elementos. A reação química deixa expcita a quantidade (mol) com que cada reagente participa do processo. A estequiometria entre os componentes pode ser estabelecida pelo acerto de coeficientes.  Veja alguns exemplos.

Exemplo1 :Acerte os coeficientes da reação abaixo.

.... C3H8   ......  O2  ® .... CO2   + .......  H2O

 

Exemplo 2: Use a equação do exemplo anterior e complete as relações estequiométricas na tabela.

 

 

 

C3H8

O2

CO2

H2O

Quantidade   em mols

 

 

 

 

Massa              em gramas

 

 

 

 

Nº de átomos

envolvidos

 

 

 

 

 

 

Relações estequiométricas

 

Você viu, na tabela do exercício anterior, que os componentes de uma reação guardam  entre  si  relações  de  massa  (g)   de  quantidade  (mol).  Estas  relações permitem que possamos fazer algumas determinações que são dependentes destas relações.

 

Exemplo 3-  O TNT é um explosivo de fórmula C7H5N3O e massa molecular 227,133 g/mol. A sigla representa o nome do composto TriNitroTolueno. Qual a quantidade de matéria presente em 650,0 g de TNT. Quantas moléculas isso representa.

 

F Este problema exige qufaçamos  uma  conversão  da  massa  de  650,0  para  a quantidade equivalente de molsSiga a sistematização e você te facilidade em resolver este e outros problemas de maiores complexidades.

 

 

 

 

 

Análise Dimensional em Estequiometria de Soluções

Þ Molaridade é uma expressão de concentração que relaciona a quantidade(n) de matéria contida em um volume de solução. A definição que está associada a este conceito é:

A unidade de molaridade que você usa depende do volume que você está trabalhando. Se o volume for mililitros você deve trabalhar com miligramas e milimol e, neste caso a unidade será mmol/mL. Para litros você deve trabalhar com gramas e moles, neste caso a unidade será mol/L. O valor numérico para cada uma destas unidades é o mesmo. Algumas bibliografias expressam o valor de uma molaridade colocando um M ao lado do valor numérico; 0,10 M. Este M não tem qualquer sentido. Em vez do M use, então o termo molar. Outro termo condenável é milimolar (mM) por ser completamente desnecessário. No lugar de M ou mM use o termo molar. Uma solução que é 0,10 molar pode ser expressa por 0,10 mol/L ou 0,10 mmol/mL.

Þ A Quantidade de Matéria é um termo que devemos interpretar como número de moles existente numa determinada massa. Obtemos a quantidade moles quando dividirmos a massa pela massa de um mol. Assim como ocorre na molaridade, o número de moles pode ser expresso pelo da massa em miligramas e a massa molecular em mg/mmol; ou pela massa em gramas e a massa molecular em gramas/mol.

Þ A diluição é uma operação muito comum num laboratório e fundamenta-se na conservação da quantidade de matéria que ocorre quando você transfere um volume, do frasco original, para o fraco da diluição. Esta propriedade você pode constatar aplicando as unidades na igualdade.

Þ Aplicando o conceito de molaridade na solução de qualquer problema siga sempre esta sistemática.

 Vamos supor que você tenha um dado que está em unidades de concentração e queira uma resposta que está em unidades de molaridade.Veja como a sistematização indicada será desenvolvida.

Um outro exemplo que envolva uma reação. 3 Ca(OH)2 + 2 H3PO4 ® Ca3(PO4)2 e você deseja transformar a quantidade de hidróxido de cálcio na massa equivalente em fosfato de cálcio.

 

Þ Quadro de resumo das unidades de concentração das soluções

 A seguir confira algumas aulas explicativas sobre a técnica de resolução dos problemas por Análise Dimensional.

Acesse também a página de Matemática Básica.

 

Home | Grafeno | Crise Financeira | Hidratos de Carbono | LHC | Bactéria GFAJ | Sperbactérias KCP | Como as cinzas prejudicam os aviões | Ônibus a Hidrogênio | Superátomos | O que os Faraós Bebiam | Metal Orgânico | Microondas no Laboratório de Química | Pré-Sal | Elementos Pseudo-metálicos | Crise Nuclear na Coreia | Crédito de Carbono | Reforma Ortográfica | Novo ENEM | Gripe Suína | Água Seca | Balança mais sensível do mundo | Chuva Seca | Adoçantes Artificiais | Estato Gasoso | Por que a água sanitária desinfeta | Adrenalina | Água | Antibióticos | Ácido Desoxirribonucleico | Armas Químicas | Armas Biológicas | Armas Nucleares | Bafômetro | Bicabonato de Sódio | Biodiesel | Bronzeamento Artificial | Bioquímica das Células | Botulismo | Cálculos em Química por Análise Dimensional | Células Tronco | Clonagem | Colesterol | Combustíveis | Ciclos Biogeoquímicos | Cristais Líquidos | Curiosidades_químicas.htm | Desodorantes | Etanol | Fenilcetonúria | Química do Vagalume | Neuroquímica | Vida | Ecstasy | Moléculas que matam | Coca Cola Diet x Bala Mentos | Química do Beijo | Novo Tipo Ligação Química | Datação do C 14 | Bioquímica da Arteriosclerose | Equilíbrio Ácido Base no Sangue | Sabão Molécula Intrigante | Cafeína | Vírus | Feromônios | Benzeno | Corantes | Nicotina | Polônio | Leptina | Raio X | Polímeros: A era dos plásticos | Vacinas Comestíveis | Química Combinatória | Gás Hélio | Sangue Artificial | Surfactantes e Micelas | Química do Cabelo | Elementos Químicos | Química Medicinal | Explosivo C4 | THC | Notícias Quânticas | Forças Intemoleculares | Gás Carbônico | Biotecnologia | Química das Aranhas | Vitaminas | Moléculas Quirais | Carboidratos | Colesterol II | Lipídios | Proteínas | Química do Sorvete | Química do Vinho | Química na Cozinha | Quimioterapia | Dicionário de Química | Diet ou Light? | Fique Por Dentro | Química das Aranhas | Gráficos | Grandes Nomes da Ciência | Histórico da Química | Lâmpadas Fluorescentes | Meio Ambiente | Mol | Os Segredos da Mumificação | Perguntas Superinteressantes | Química do Cigarro | Química do Cotidiano | Tratamento da Água | Salmonella | Pilhas e Baterias | Polímeros Condutores de Eletricidade | Umidade Relativa do Ar | Viagra | Vitaminas e Minerais

Este site foi atualizado em 19/07/10